Natal / RN recebe CHICO BUARQUE em ‘Que tal um samba?’

CHICO BUARQUE em ‘Que tal um samba?’ / Divulgação

No show, Chico terá no palco a companhia de Mônica Salmaso, a cantora dos compositores, que já gravou dois discos dedicados à sua obra e fará números solo e duetos com ele, em todas as apresentações da turnê.


Depois de alguns anos praticamente dedicados à literatura, que resultaram no romance ‘Essa gente’ e no volume de contos ‘Anos de chumbo’ - cujo título e histórias refletem o contexto desses anos de baixo astral, pandemia, abandono e tragédia política – os dedos largaram as teclas do computador e finalmente de volta ao instrumento pareciam mesmo se rebelar e a procurar uma batida diferente, feliz, quase eufórica, uma levada ao violão como a insistir: ‘Que tal um samba?’.

E aí, levada de samba nos dedos, cabeça e coração voltaram a pensar e a sentir a música e a agir. E Chico Buarque, como é bem de seu feitio, começou a recordar velhos sambas, um especialmente, sucesso de Blecaute no carnaval feliz de 1949, ‘Que samba bom’, composição de Geraldo Pereira também numa levada toda sincopada como a sua, algo eufórica, “ô, que samba bom/ô, que coisa louca/eu também tô aí/tô aí, que é que há/também tô nessa boca...”. Sambas sobre samba, o ‘Feitio de oração’ de Vadico e Noel

Rosa, essa tradição e esse espírito vinham junto com a levada ao violão como a propor ao compositor enferrujado: ‘Que tal um samba?’.

‘Que tal um samba?’, este samba tão ao mesmo tempo urgente e já histórico, foi lançado pela Biscoito Fino nas plataformas digitais neste dia 17 de junho. E é a grande novidade da turnê pelo Brasil que o compositor inicia em setembro, por João Pessoa e, depois de percorrer Natal, Curitiba, Belo Horizonte, Recife, Fortaleza, Porto Alegre, Salvador e Brasília, chega ao Rio em janeiro e a São Paulo em março do ano que vem. 

Conduzida evidentemente pela tal levada do violão de Chico, a gravação de ‘Que tal um samba?’ foi feita no estúdio da Biscoito Fino pelo conjunto que o acompanha há muitos anos, dirigido por Luiz Claudio Ramos, que toca o outro violão, João Rebouças no piano, Jorge Helder no baixo e Jurim Moreira na bateria. A cadência vibrante do samba fez necessária uma percussão, e para isso foi convidado Thiago da Serrinha. E um bandolim, do revolucionário do instrumento Hamilton de Holanda. Ambos, Thiago e Hamilton desde a introdução acompanham a caminhada literal do samba e costuram e enfeitam a gravação de contracantos e contrapontos exuberantes. Tornam-no ainda mais feliz.


Serviço: Chico Buarque
Quando: 09 e 10 de Setembro de 2022
Horário: 21h00 - Duração: 110 minutos.
Onde: Teatro Riachuelo - Natal - RN
Av. Bernardo Vieira, 3775 - Loja 234 3° Piso - Tirol, Natal - RN
Ingressos a partir de R$140,00
Vendas https://uhuu.com  

Image